segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Divulgação do livro - VISÃO ABOLICIONISTA: ÉTICA E DIREITOS ANIMAIS


Organização: Silvana Andrade264 páginas - Preço: R$35,00 + frete
Para adquirir, escreva para faleconosco@anda.jor.br


  




















A Agência de Notícias dos Direitos Animais (ANDA), em um projeto liderado com coerência e dedicação pela jornalista Silvana Andrade, dá mais um importante passo com a edição deste volume, que representa também a constatação da expansão, quantitativa e qualitativa, do movimento pelos direitos animais no Brasil.
Outrora vista como produto do sentimentalismo romântico e inconsequente, a luta pelo respeito à vida e à liberdade dos animais não humanos começa a ganhar destaque em nosso país fora dos textos sobre excentricidades e bizarrices. Começa, finalmente, a ser vista como realmente é: um movimento legítimo com um propósito claro e apoiado sobre forte base tanto científica quanto filosófica.
É neste sentido que oferecemos com orgulho e satisfação a presente obra, que demonstra a evolução deste movimento em nosso país. Ele demonstra que os defensores dos animais no Brasil aprenderam, tanto quanto seus opositores, a importância da reflexão, do conhecimento e da argumentação racional. Aqui estão representados alguns dos expoentes dessa renovação do movimento de defesa animal, prontos para desafiar todos a um salto qualitativo no debate.
Os direitos animais são a continuação lógica dos direitos humanos. Eles vieram para somar e aprofundar, não para reduzir ou relativizar. Aqueles direitos fundamentais à vida, liberdade e integridade que o ser humano, na sua arrogância, um dia atribuiu à sua excepcionalidade no universo, agora são percebidos nitidamente como inalienáveis das outras formas de vida animal. Pois o que define a posse desses direitos fundamentais não é sua indubitável capacidade de construir e imaginar mundos inteiros e expressar-se pelas mais sublimes formas de arte (mas que é também a capacidade de destruir culturas, povos e regiões inteiras). Assim fosse, nem mesmo todos os seres humanos teriam esses direitos reconhecidos. Não, o que define o respeito pela vida e a liberdade é a sensibilidade e a consciência – a senciência, que faz com que todo animal defenda sempre sua vida e liberdade

sábado, 11 de dezembro de 2010

Trailer do novo filme do Instituto Nina Rosa: “Vegana”

Acessem o link abaixo para assistir o vídeo

Trailer do novo filme do Instituto Nina Rosa: “Vegana”

O Instituto Nina Rosa convida você para o lançamento de seu mais novo filme, o “Vegana – Uma história de amor e respeito por todos os seres vivos”. A exibição de lançamento acontece em São Paulo na sexta, 17 de dezembro de 2010 e tem entrada gratuita.
Clique na imagem para informações
O Instituto Nina Rosa, organização independente e sem fins lucrativos, que atua na valorização da vida animal, fará uma exibição especial na sexta-feira dia 17 de dezembro, da animação Vegana, do cartunista brasileiro Airon Barreto, diretor do estúdio Cosmic.
O ator e dublador Mauro Castro, a atriz Selma Egrei, a artista circense Gabriela Veiga e o músico Fernando Fanitelli, estes dois últimos membros da banda Teatro Mágico, participaram voluntariamente da dublagem da animação.
O argumento e o roteiro foram escritos por Nina Rosa, fundadora da ONG, Alexandra Lima G. Pinto, professora do Curso de Imagem e Som da UFSCar, e Sonia Felipe, professora de filosofia e ética da UFSC.
O Instituto Nina Rosa possui outros sete filmes sobre a vida animal: Fulaninho, o Cão que Ninguém Queria, Vida de Cavalo, O Gato Como Ele É, Olhar e Ver, Criando um Amigo, Não Matarás – os animais e os homens nos bastidores da ciência e A Carne é Fraca. Estas produções têm o objetivo de sensibilizar, educar, contribuir para que o amor permeie as consciências das pessoas e se irradie para os animais.
O filme Vegana, em breve, também terá sua versão em história em quadrinhos.

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Dia Internacional dos Direitos Animais em Porto Alegre/RS


Vanguarda Abolicionista promove Dia Internacional dos Direitos Animais em Porto Alegre neste domingo


animal rights
No próximo domingo, dia 12 de dezembro, a Vanguarda Abolicionista estará na Redenção promovendo ato alusivo ao DIDA – Dia Internacional dos Direitos Animais. Instalados ao lado do Monumento ao Expedicionário, os ativistas vão apresentar a exploração dos animais não-humanos através de encenações, vídeos, livros, banners, material impresso e outros. Haverá distribuição de material de conscientização a respeito do veganismo, e das diferentes formas de escravidão animal – carne, leite, couro, peles, testes, trabalhos forçados etc.
O público visitante poderá levar para casa uma cópia da Declaração Universal dos Direitos Animais, a ser assinada no site da organização inglesa Uncaged. Também haverá coleta de assinaturas e distribuição de material relativo às girafas no Zoológico de Sapucaia, já que a Vanguarda Abolicionista integra a coalizão de ONGs ‘Lugar de Animal’. O caso foi estopim de uma nova visão da sociedade sobre os zôos e o aprisionamento de animais.
Serviço
O quê: DIDA – Dia Internacional dos Direitos Animais em Porto Alegre
Quando: 12 de dezembro, domingo, das 9h às 18h
Onde: Parque Farroupilha, entre o Monumento ao Expedicionário e o Brique da Redenção
Quem: Vanguarda Abolicionista e apoiadores
Em caso de chuva, o evento será transferido.

Faça um Natal sem crueldade com os animais!

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Rodeio: diversão ou maus tratos aos animais?

Conheça os dois ângulos dessa potente festa!
divulgação
Foto
Chegará o dia em que os homens conhecerão a alma dos animais e nesse dia um crime contra o animal será um crime contra a humanidade (Leonardo da Vinci)
Por Jéssica Ferrari

“Alô meu povo! Na batida da mão, no gingado do pé. Grita as crianças, gritas os homens e também grita as muié.” (Marco Brasil)
Os versos entre uma montaria e outra são rotinas para os locutores de rodeio. A voz forte e as palavras rápidas, misturadas a músicas com batidas animadas, arrancam gritos de milhares de pessoas, que todos os anos vêem as festas de rodeio como opção de lazer e diversão, no Brasil ou no exterior.


Animação, luzes, bebidas, disputas e efeitos especiais compõem a mistura explosiva das festas de peão. As atrações também incluem lindas mulheres, que concorrem a vagas de rainha e princesa do rodeio, shows com artistas consagrados e competições de várias modalidades, que parecem deixar o público em êxtase! A cidade brasileira mais famosa quando se fala nesse assunto é com certeza Barretos. Ela faz parte da história das festas, como a sede da primeira edição do evento, e serve como referência para todos os eventos do país, como o rodeio de Itú.

Por outro ângulo
O nervosismo é grande e o público ansioso. Os olhos atentos parecem ajudar a mão a segurar firme no laço. De repente os ferros se abrem e a emoção pula na pele, deixando nítida a sensação de adrenalina que misturada aos gritos do público, faz do rodeio um esporte, um modo de vida.
Por outro ângulo, a corda aperta. A visão, por entre barras e pernas, faz o coração disparar e os nervos aflorarem. O espaço é pequeno e às vezes parece faltar ar. A arena à frente representa liberdade, mas não explica o que há de se pagar, nem quantos pulos terá que dar.
Todo o espetáculo das festas de peão, organizado para atrair e vislumbrar os quatro sentidos humanos, não são atraentes e nem prazerosos para os principais “atores” do evento, os animais! “Ainda que, em alguns rodeios não se usem instrumentos que provoquem dor, como as esporas, só o fato de se colocar animais de hábitos diurnos em ambientes barulhentos, cheios de luzes, em corredores apertados e, depois, um ser humano sobre eles, é uma agressão evidente.”, afirma o ambientalista e coordenador do movimento que virou lei, "Sorocaba sem Rodeio", Gabriel Bitencourt.
A polêmica dos maus tratos a bois, touros e outros bichos utilizados em festas consideradas culturais, retrata outro ângulo, talvez não conhecido ou refletido por quem frequenta esses eventos. Materiais como o conhecido sedém, são apontados como causadores de dor e sofrimento aos animais. Já pesquisas feitas pela Universidade Estadual Paulista (UNESP) garantem que ele não machuca os bichos. Mas não ficam só nos objetos os diversos maus tratos expostos pelos defensores dos animais. O transporte estressante e doloroso dos mesmos, o abate sem piedade e as competições de laçadas são atitudes que demonstram que algo está muito errado nesse tipo de “lazer” humano.
“O rodeio é uma forma antiga e cruel dos seres humanos se relacionarem com os animais. Uma forma de quem os vê como meros seres objetos, feitos apenas para suprir as necessidades (comida, vestuário, entretenimento....) dos humanos.”, explica Bitencourt.
Outras festas parecem ser ainda mais cruéis, como no caso das “touradas” na Espanha. A disputa sangrenta normalmente acaba com o touro caído, cheio de lanças, enquanto o heróico toureiro recebe aplausos da platéia. Mas será que para se divertir as pessoas precisam mesmo usar os animais? Para Bitencourt, por mais que se diga que as touradas representam algo importante para o turismo, para a economia e que é expressão da cultura espanhola, ela é uma das formas mais cruéis e covardes de “diversão”. Sua covardia é tanta que há cada vez mais pessoas que “torcem pelo touro”.
No meio de tanta tecnologia e opções de diversão, talvez seja preciso olhar por um outro ângulo para os bichos. Eles são seres que podem beneficiar e muito os humanos, tanto que a relação homem - animal avançou e os transformou em “membros” da família. Também não podemos esquecer que foram as pessoas que invadiram o território deles e transformaram seu modo de vida. Utilizá-los apenas para arrancar gritos de um público faminto por lazer, não deve ser uma maneira certa de recompensá-los, não que isso seja preciso. Afinal, o ser humano é capaz de se divertir sozinho, sem sofrimento, sem polêmica, nem aplausos.

      

Vegetarianos: Trocar de hábito alimentar pode ser uma deliciosa opção

Publicado: Quinta-feira, 9 de setembro de 2010 por Jéssica Ferrari
Conheça a transição e os benefícios dessa alimentação!
divulgação
Foto
Opções saudáveis e coloridas!
Por Jéssica Ferrari

Pare e pense: quantas vezes você come carne, durante a semana? Se você for uma daquelas pessoas que acredita que ela é a “mistura” da sua refeição, irá responder muitas! Porém, se você consegue trocar o pedaço de bife por um crocante pedaço de couve-flor empanada ou ainda um delicioso refogado de legumes, sem fazer “cara feia”, parabéns! Você tem grandes chances de conseguir se adequar ao vegetarianismo.
Por saúde, respeito aos animais ou pura simpática pela dieta, o número de pessoas que estão deixando os churrasquinhos de fim de semana e os sanduíches de fast food de lado, aumenta todos os anos. Segundo pesquisa online da Harris Interactive, encomendada pelo Grupo de Recursos Vegetarianos (VRG) em 2009, nos Estados Unidos é possível estimar que haja entre 6 e 8 milhões de adultos vegetarianos. Já no Brasil, ainda não se tem a confirmação desse número, no entanto uma pesquisa realizada pelo grupo Ipsos, um dos líderes globais no fornecimento de pesquisas de marketing, propaganda, mídia, satisfação do consumidor e pesquisa de opinião pública e social, aponta que 28% dos brasileiros têm procurado comer menos carne.
A transição para a dieta vegetariana não acontece de uma hora para outra. Ela deve passar por fases de adaptação diferentes, que começam com aquela troca do bife pela couve-flor até chegar à exclusão da carne no cardápio. “O fator mais importante deve ser a conscientização, a aceitação e uma tomada de decisão bem fundamentada para a mudança, que deve ser gradativa. Podem começar ingerindo a carne bovina em dias alternados, passando para a carne de aves ou peixes até a suspensão total.”, explica a nutricionista Norma Honda.
Segundo a nutricionista e especialista em qualidade de vida, Camila Gabriela Camargo, existem três tipos de dietas nesse hábito alimentar: ovo-lacto-vegetariana, lacto-vegetariana e vegana. “O primeiro grupo exclui apenas o consumo de carne. O segundo mantém a ingestão de leite e derivados, mas têm restrição para carne e ovos. E o terceiro não permite a ingestão de nenhum produto de origem animal, inclusive gelatina e laticínios.”, explica Camila.
Para o médico veterinário, Arivaldo Nunes, a mudança foi um processo. “Eu conheci pessoas que não comiam carne e aos poucos resolvi diminuir o consumo, mas sem privações, até chegar num ponto em que não sentia mais necessidade, nem vontade de comer carne e me senti bem assim”. Leia mais!
Arco-íris de opções!
Um dos motivos que pode atrair tantos adeptos ao vegetarianismo é a variedade de opções que essa culinária oferece. Refogados, assados, grelhados ou crus, os legumes e verduras fazem o maior sucesso nos pratos do dia a dia, e como a criatividade de algumas pessoas é imensa, não faltam cheiros e cores para tornar sua vida um verdadeiro arco-íris. Confira algumas deliciosas receitas vegetarianas da Internet!
É possível mudar com saúde!
Ser vegetariano traz benefícios em diversos aspectos, mas segundo Camila é preciso adequar a dieta, principalmente em relação ao consumo de proteínas. “As pessoas que decidirem ser veganas devem se atentar em relação ao cálcio e à vitamina B12, pois é necessária a suplementação da segunda a partir de alguns anos da dieta (em média 3 anos). Os vegetarianos, que não forem tão radicais podem repor essa vitamina por meio de ovos e do leite.”, conta Camila. Já o cálcio pode ser encontrado nos grãos e vegetais, afirma Norma.
Para repor as proteínas da carne, as dicas são saborosas e variadas. Segundo Norma, podemos ingerir o arroz integral acompanhado de algum tipo de grão, não só o feijão, como é o hábito no nosso país: mandioca, inhame, cará e outros grãos frescos como o milho e a ervilha, pois todos são ricos em proteínas. Saiba mais!
Polêmicas!
Para quem acredita que o vegetarianismo é uma forma de perder quilos, Camila desaponta, ”Conheço pessoas que para compensar a falta da carne utilizam muito carboidrato e também opções com muita gordura. É necessário acompanhamento nutricional para que não ocorra deficiências e que o vegetariano tenha sim, muita qualidade de vida!”.
Segundo Norma, as citações de que esse hábito alimentar não sacia a fome e por isso as crianças não podem fazer parte dele, é um mito! “Como os grãos são fontes muito ricas em proteína, a saciedade ocorre de forma satisfatória, ao contrário da carne animal que provoca uma metabolização muito demorada no processo da digestão.”, explica.
Outra polêmica é sobre os atletas vegetarianos. “Pensava-se que os praticantes de esporte não poderiam ser vegetarianos devido os gastos calóricos e a necessidade de mais proteínas, porém sabemos que há muitos atletas vegetarianos no mundo.”, conta Norma. Conheça alguns!
Amor e respeito à vida!
Muitas pessoas, assim como Carla, têm nos animais o principal motivo para aderir ao vegetarianismo. “Comer carne é uma barbárie, um atentado a vida. As pessoas que têm o mínimo de bondade em seu peito, fingem que os matadouros não existem. Caso o contrário, não conseguiriam dormir”.
Para Norma, essa consciência vai além e atinge toda a natureza. “Quando analisamos a extensão de terra utilizada para as pastagens, percebemos a devastação de vegetais que ocorre. Os animais também eliminam gases poluentes através das fezes e acabam provocando a contaminação de lençóis subterrâneos de água.”, alerta.
Eles também pararam!
A lista de famosos que se consideram vegetarianos começa no Brasil, invade Hollywood, passa por palcos de todos os sons e desfila no tão famoso “tapete vermelho”. Veja quem já aderiu ao novo hábito alimentar!

    

domingo, 27 de junho de 2010

Toddy achocolatado em versão vegana, tudo de bom!!

Um dos achocolatados mais famosos entre os brasileiros acaba de ganhar uma versão orgânica e vegana. Segundo o site do produto. Visite e saiba mais www.toddy.com.br/organico
O lançamento traz apenas cinco ingredientes: cacau e açúcar orgânicos, extrato de malte, sal e lecitina de soja.

sábado, 29 de maio de 2010

Estudo britânico revela que crianças com alto QI tendem a seguir dieta vegetariana

De acordo com um estudo publicado no The British Medical Journal, crianças com alto QI (quociente de inteligência) têm 20% mais chances de se tornarem vegetarianas na fase do crescimento.
Para chegar ao resultado, o estudo testou o QI de um grupo de 8 mil crianças de 10 anos. A dieta dessas crianças foi avaliada por um período de 20 anos, até atingirem os 30 anos de idade. As crianças participantes do estudo que tornaram-se vegetarianas o fizeram por escolha própria.

O estudo também traçou um perfil da maioria dos vegetarianos:

- sexo feminino;
- possuem ensino superior;
- nasceram em famílias de classe média ou alta.

Portanto, se seu filho decidir se tornar vegetariano, apoie a iniciativa. O que Albert Einstein, Van Gogh e Emily Dickson têm em comum? Mentes brilhantes são vegetarianas!

Estatísticas

A população vegetariana cresce principalmente entre estudantes de ensino superior. As estatísticas variam, mas de acordo com o autor do livro Eating Animal, Jonathan Safran, estima-se que 18% dos universitários norte-americanos são vegetarianos.
Acredita-se ainda que cerca de 3% da população americana siga a dieta.

   

terça-feira, 25 de maio de 2010

segunda-feira, 24 de maio de 2010

Cidades onde há abatedouros, há mais violência!

Para o autor e jornalista Upton Sinclair, o mundo dos matadouros é tão perigoso para os seres humanos, quanto para os animais. Em 1906, ele escreveu o livro "The Jungle", recheado com imagens e relatos altamente chocantes do que se passa dentro de um abatedouro. Ele ainda identificou que os trabalhadores de um desse local de trabalho se tornaram tão insensíveis à violência, que as taxas de estupro e brigas entre eles cresceu à época.
Mais de cem anos depois, uma pesquisadora da Universidade de Windsor, no Canadá, dá ênfase ao que foi publicado lá em 1906. A professora de criminologia Amy Fitzgerald diz que as estatísticas com relação entre matadouros e crime brutal são um fato empírico.
Num estudo recente, Amy trabalhou com números divulgados pelo FBI (a polícia norte-americana) sobre os crimes registrados em 581 municípios dos Estados Unidos entre 1994 e 2002.
"Montei um gráfico que mostra que quando o número de trabalhadores num matadouro de uma comunidade aumenta, a taxa de criminalidade também aumenta" , diz ela, que estudou os registros de criminalidade nas comunidades americanas onde há matadouros instalados.
Amy ponderou os valores, a fim de verificar se realmente há essa conexão. Ela descobriu que um matadouro de médio porte, com 175 funcionários, pode aumentar o número de prisões numa comunidade em 2,24 e o número de crimes registrados em 4,69. Quando maior o matadouro, maior o problema envolvendo crimes.
Esse aumento da violência ainda é percebido quando o número de jovens e imigrantes passam a trabalhar nesses matadouros.
"Alguns moradores começaram a reconhecer que os índices de criminalidade estavam aumentando e os donos dos matadouros passaram a culpar a mão-de-obra dos imigrantes", conta a pesquisadora.
Ela analisou ainda as cidades que abrigam fábricas em que os trabalhadores fazem trabalhos repetitivos ou perigosos -- ou seja, empresas que não envolvem a matança de animais. Em alguns casos, o número de violência nessas cidades é muito baixo.
"Os trabalhadores de abatedouros têm que lidar com os animais vivos que entram lá, matando-os e lidando com suas carcaças e processando suas carnes", finaliza.
Amy ainda consegue fazer uma paralelo entre as pessoas que trabalham nos matadouros e os militares. "Ambos lidam com violência, perdem a sensibilidade", finaliza.

FONTE: Vida Vegetariana
                  

Alimentação saudável: Grão de bico ajuda a afastar o mau humor

Substância da leguminosa estimula produção de serotonina e causa sensação de bem-estar.
Pesquisadores da Universidade Hebraica de Jerusalém e da Universidade de Haifa, ambas em Israel, desenvolveram um estudo para compreender a interferência do grão de bico na melhora do humor das pessoas. Após alguns testes com pessoas que ingeriram doses variadas da leguminosa por seis meses, os cientistas constataram que elas estavam muito mais "alegres".
O motivo para tal resultado é a presença do triptofano, aminoácido essencial para a produção da serotonina, substância responsável pelas sensações agradáveis do organismo. Ela ativa os neurotransmissores cerebrais que dão sensação de bem-estar, satisfação e confiança.
O grão de bico também contém alto teor de fibras, que colabora para o funcionamento do intestino e regula as taxas de açúcar sanguíneo. "Os cereais ainda são ricos em carboidratos complexos, fornecendo energia ao corpo por um tempo mais prolongado

FONTE: Minha Vida-Saúde, Alimentação e Bem-Estar


RECEITA: Salada de folhas com grão-de-bico

Ingredientes

250 g de proteína de soja cozida e temperada
1 xícara (chá) de grão-de-bico cozido e escorrido
2 colheres (sopa) de hortelã picada
1 tomate grande picado
1 xícara (chá) de creme de soja
2 dentes de alho e 01 cebola média picados
1 pé pequeno de alface americana picada
1/2 pé pequeno de alface roxa picada

Modo de preparo

1- Em uma tigela média, coloque a proteina de soja, o grão-de-bico, a hortelã e o tomate e misture. Acrescente o creme de soja, o alho e a cebola e misture até envolver todos os ingredientes. Reserve.

2- Em uma travessa média, coloque as folhas de alface americana alternando com as folhas de alface roxa. Sobre elas coloque a mistura reservada em forma de colheradas separadas uma das outras. Sirva em seguida. Variação Se preferir dar um colorido especial a salada, polvilhe meia cenoura ralada.

Dica

Para se obter uma xícara (chá) de grão-de-bico cozido, é necessário cozinhar meia xícara (cha) de grão-de-bico cru.

Bon Appetit!
      

domingo, 16 de maio de 2010

Nutrição vegetariana: das proteínas

 
                  por Lúcia Badia, formanda em Nutrição/UFPel

A polêmica da proteína na dieta vegetariana se baseia na afirmação de que as proteínas vegetais não seriam completas, sendo assim de baixa qualidade. Sabemos que não precisamos de proteínas, mas, isto sim, de aminoácidos, que são os formadores destas. Portanto, uma vez que tenham sido ingeridos todos os aminoácidos essenciais (assim chamados porque não conseguimos fabricá-los, precisamos obtê-los a partir da dieta) em quantidades bastantes, não importá se eles vieram de uma cenoura ou de um porco.
A boa notícia é que para conseguir todos estes aminoácidos não é necessário ficar medindo as quantidades presentes em cada alimento. É algo que acontece naturalmente: o segredo é variar as fontes! As fontes mais ricas são as leguminosas: feijões, lentilha, grão-de-bico, ervilha, soja e seus derivados, em especial o tofu, proteína de fácil digestão, rico em cálcio, super gostoso e versátil.
Varie as leguminosas na sua alimentação, aproveite a multiplicidade de feijões existentes no mercado e as preparações possíveis. Uma dica importante quanto à preparação destes grãos é fazer o remolho antes de cozinhar: isso reduz o ácido fítico, substância que complica a absorção de vitaminas e minerais. O simples remolho, por si, já torna a digestão mais fácil e, de quebra, diminui o tempo de cozimento. E como fazer o tal remolho? Escolha os grãos na noite anterior e coloque-os imersos em água. Quando for cozinhá-los, despreze a água e lave-os. A preparação é simples: água e temperos de sua preferência. Só vale lembrar que a lentinha faz exceção a essa regrinha: não precisa de remolho, pois contém pouco ácido fítico.
Fora as leguminosas, os cereais também são boas fontes de proteína, de maneira complementar às leguminosas. A famosa dupla arroz e feijão segue imbatível! Prefira sempre os integrais, pois, além de conterem fibras, conservam as vitaminas e minerais que seriam perdidas pelo o polimento – processo pelo qual não passam (daí o porquê do adjetivo ‘integrais’).
Conheça a quinoa, o cereal tido como alimento ideal para humanos. Rica em vitaminas e minerais, ela possui todos os aminoácidos essenciais (os que o nosso corpo não é capaz de sintetizar), apresentando assim uma proteína de ótima qualidade. Além disso, contém ômega 3 e 6, lipídeos essenciais para bom funcionamento geral do organismo e manutenção de níveis normais de colesterol, o que a torna uma aliada na prevenção de doenças cardiovasculares. A quinoa vai bem se adicionada a pães, granolas, sopas e bolos, e também serve como ingrediente principal em saladas, assados, etc. Vende-se a quinoa em grão e em flocos; é possível também encontrar farinha preparada a partir dela.
E como estamos falando em dicas, cumpre anotar: não tratamos aqui de esgotar o assunto. Mencionamos, como ponto de partida, as duas principais fontes de proteína na alimentação sem ingredientes de origem animal, mas isso não significa que outras fontes, como frutas, verduras e tubérculos (…) não contenham proteínas. De fato, contêm-nas, mas em menores quantidades. De qualquer sorte, chama-se atenção para a aura intuitiva que já destacamos: variando as fontes, o processo acontece naturalmente.

FONTE: Vanguarda Abolicionista
       

segunda-feira, 10 de maio de 2010

MTV - Debate sobre crueldade em rodeios - 11/05/2010 às 22:30 HS

NÃO PERCAM!

MTV Debate Rodeios, com a presença do ativista Leandro Ferro

O ativista Leandro Ferro participará do programa MTV Debate, na próxima terça-feira, dia 11 de maio.

O programa, apresentado pelo músico Lobão, terá como tema Direitos Animais e Rodeios, e será exibido a partir das 22h30, na MTV.

Mais informações sobre a luta contra rodeios no site http://www.odeiorodeio.com/

sexta-feira, 7 de maio de 2010

Quer continuar fumando???

      

Teste de cigarros realizado por todos os fabricantes em cães da raça Beagle, causando sua morte em alguns meses, por ficarem direto expostos a mais esta crueldade! Escolheram esta raça por tratar-se de um cão mais tranquilo e obediente... 
     

quinta-feira, 6 de maio de 2010

Mike Tyson se declara vegano

Nunca pensei que fosse dizer estas palavras, mas: Mike Tyson se tornou vegano!
Você escutou certo, o lutador peso pesado que ficou famoso por ter mordido a orelha de Holyfield abriu mão de todas as proteinas de origem animal de uma vez só.

De acordo com o site USAToday.com:

Tyson está estrelando uma reality show para a TV no canal Animal Planet no qual ele corre com pombos. Ele diz se tornou vegano e não tem nenhum "drama" em sua vida no momento, o que ele diz com estranheza já que é um atleta conhecido por seus problemas com a justiça.
No início do ano, o site Ecorazzi divulgou sobre o novo programa do Animal Planet com Tyson e sua paixão por pombos.

"Eu estou honrado por fazer parte deste show monumental no Animal Planet" diz Tyson, cuja primeira luta que fez ainda criança foi em defesa de seus pássaros. "Eu sinto um grande orgulho ao atuar como um representante oficial para todos os amantes de pombos la fora. Eu quero que as pessoas vejam porque amamos estes pássaros. Me sinto bem ao retornar aos telhados da cidade onde tudo começou para mim - Nova York."

Nós não temos muita certeza de como nos sentimos sobre corridas de pombos, mas se tornar vegano...VEGANO?! Isto é impressionante!

Tradução Livre: guiavegano

FONTE: http://www.ecorazzi.com/
   

terça-feira, 4 de maio de 2010

quinta-feira, 29 de abril de 2010

Vegetarianos têm menor risco de desenvolver câncer

Os riscos de os vegetarianos desenvolverem câncer é 12% menor em relação ao dos consumidores de carne e a diferença se torna mais marcante nos casos de câncer no sangue, disseram pesquisadores britânicos nesta quarta-feira.
Pesquisas anteriores já haviam mostrado ligação entre o consumo de grande quantidade de carne vermelha ou processada com uma taxa mais elevada de câncer no estômago. O novo estudo, envolvendo mais de 60 mil pessoas, realmente confirmou haver menor risco de câncer de estômago e de bexiga entre os vegetarianos.
Mas a mais notável e surpreendente diferença foi nos casos de câncer no sangue - tais como leucemia ou múltiplo mieloma e linfoma não-Hodgkin - em que o risco da doença é 45% menor em vegetarianos do que entre os consumidores de carne.
“É necessário realizar mais pesquisas para confirmar estes resultados e encontrar as causas para as diferenças”, disse Tim Key, autor do estudo do Centro de Pesquisa da unidade de epidemiologia da Universidade de Oxford, na Grã-Bretanha.
Key e colegas, que publicaram seus achados no British Journal of Cancer, acompanharam 61 mil consumidores de carne e vegetarianos por mais de 12 anos, período em que 3.350 participantes receberam o diagnóstico de câncer.
O estudo investigava 20 diferentes tipos de câncer. Foi constatado que as diferenças de risco independem de outros fatores, tais como fumo, consumo de álcool e obesidade, os quais podem aumentar os riscos de uma pessoa desenvolver câncer.

FONTE: Terra
    

quarta-feira, 28 de abril de 2010

O que é ser vegano?

Veganismo, uma postura ética
 É uma postura ética baseada na não exploração de todos aqueles que são capazes de sofrer e prezar por sua vida e liberdade.

Interesses: ampliação dos direitos básicos
Do mesmo modo que nós, seres humanos, os outros animais devem ser donos de suas próprias vidas e viver de acordo com os seus próprios interesses ao invés de explorados. Nada mais é do que a ampliação dos nossos horizontes morais para além das fronteiras de espécie, do mesmo modo que já superamos as de raça e as de sexo.

Alimentação
Os veganos adotam uma dieta estritamente vegetariana: não se alimentam de nenhum produto oriundo da exploração animal, como carnes, peixes, frutos do mar, leite, laticínios, ovos, mel, e os substituem por alimentos de origem vegetal que contêm os mesmos nutrientes.

Boicote e testes em animais: ativismo ético de consumo
Esse boicote se estende: ao comércio de animais, aos eventos que os usam como entretenimento, ao comércio de vestuário que os utilizam como matéria-prima e aos produtos industriais que foram testados cruelmente em animais inocentes.
Desse modo, também não usam roupas e acessórios que contenham lã, couro, seda, peles e plumas, não patrocinam espetáculos com animais, como circos, rodeios e touradas, e substituem os produtos testados em animais por outros produtos mais éticos. Testar em animais é um ato cruel e tão antiético como seria testar em seres humanos sem o seu devido consentimento.
Se a demanda por produtos deste tipo acabar, as indústrias serão forçadas a substituir seus atuais produtos e métodos por outros que estejam isentos desta exploração.

Animais sentem prazer e dor
Animais não são objetos, recursos ou propriedades. São seres capazes de sentir dor e emoções e que compartilham dos mesmos interesses básicos de manutenção da vida, integridade e liberdade. Portanto, a exploração animal é tão injusta quanto a escravidão humana.

Princípio da Senciência
O veganismo propõe o respeito para com todas as espécies sencientes com as quais dividimos o planeta.

Benefícios da Dieta
Pessoas em todo o mundo comprovam que a dieta vegana propicia inúmeros benefícios a saúde. Além disso, é cada vez mais evidente que a exploração dos animais está diretamente relacionada a vários problemas ambientais que estão devastando nosso planeta. No entanto a população está apática, devido à falta de informação e conhecimento sobre o assunto.

Descubra o veganismo.
Você pode viver bem sem explorar os animais!

FONTE: Seja Vegano